Entenda qual o papel do arquiteto na automação residencial

Tempo de leitura: 3 minutos

A automação residencial tem ganhado cada vez mais espaço em projetos arquitetônicos nos últimos anos. Isso se deve ao fato de que os avanços tecnológicos recentes possibilitam resultados mais satisfatórios nessa área.

Entretanto,é preciso entender qual é o papel do arquiteto na automação residencial. Com esse post, esperamos discutir alguns pontos essenciais dessa questão. Preparado? Então nos acompanhe!

Automação residencial melhora o cotidiano das pessoas

Antes de tudo, é preciso entender que a principal vantagem da automação residencial é, efetivamente, eliminar tarefas repetitivas do nosso cotidiano, proporcionando-nos mais conforto em casa.

Com essa praticidade proporcionada pela automação residencial, temos uma menor quantidade de atividades enfadonhas em nossa rotina; podemos, portanto, ganhar mais tempo e sermos mais produtivos, economizando recursos energéticos e ampliando a sensação de bem-estar.

O arquiteto serve como mediador

No processo de implantação da automação residencial, há a presença do engenheiro ou integrador, que é o profissional que programa os comandos, escolhe e instala os equipamentos.

Pode ser que o cliente não esteja tão familiarizado com os detalhes técnicos da automação nessa etapa de instalação e que, por isso, a sua comunicação com o engenheiro precise ser mediada pelo arquiteto.

Isso se justifica porque o arquiteto está em contato há mais tempo com o cliente e conhece bem suas demandas e expectativas em relação ao projeto. Somente ele poderá traduzir as reais necessidades do cliente para discuti-las com o integrador da automação.

Ele conhece detalhes do projeto do cliente

Por conhecer bem cada detalhe da construção, o arquiteto poderá escolher junto ao engenheiro os equipamentos mais adequados para promover a melhor usabilidade do sistema de automação no contexto específico daquele projeto arquitetônico, visando o bem-estar do cliente.

Para isso, é preciso que ele também entenda profundamente os benefícios e potencialidades que a automação poderá representar para o cliente e para a sua família.

Está ciente das rotinas e demandas dos outros profissionais

Como a automação deve ser realizada de forma integrada ao projeto arquitetônico e elétrico da construção ou da reforma, visando conforto, estética e usabilidade com essas tecnologias, caberá também ao arquiteto a orientação dos outros profissionais para que o trabalho ocorra em harmonia com a concepção apresentada ao cliente no projeto.

As tecnologias residenciais de automação permitem várias possibilidades de controle e programação, desde o uso de dispositivos como controle remoto até o uso de tecnologia mobile.

Por isso, tanto a escolha da tecnologia empregada no projeto e, consequentemente, dos profissionais que vão implementá-la têm que acontecer de acordo com as preferências do cliente.

Sabe identificar as melhores soluções para o cliente

Até pela experiência acumulada do profissional de arquitetura, será ele o catalisador das ideias e iniciativas da equipe durante o processo de instalação do equipamento, traduzindo sempre para esses profissionais as demandas reais do cliente.

Dessa maneira, o uso dos sensores de presença, dimerizadores de iluminação artificial, modelos de persianas elétricas a serem escolhidos, além do controle automatizado do sistema de ar-condicionado, dos aquecedores, entre outros itens, tudo isso deverá ser feito de acordo com o desempenho energético e conforto ambiental almejado no projeto.

Por isso, é essencial que as soluções adotadas sejam, principalmente, úteis à família e que apresentem um custo/benefício atrativo. Cabe também, portanto, ao arquiteto, negociar essas questões com os prestadores do serviço.

Viu como é imprescindível a atuação do arquiteto na automação residencial? Então entre em contato conosco para conhecer nossos produtos e serviços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *